• Dora M. Bentes

O caos gerado nas relações contém as saídas criativas para as interações contemporâneas


Ilustração: Moonassi

As relações – amorosas, afetivas, profissionais, amizades – se abriram para muitas possibilidades, não existem mais formas padronizadas para se estar com o outro. As relações estão ficando cada vez mais descartáveis, fugazes e superficiais.

Quando uma área humana da vida se abre, o efeito é sempre ir para polaridade oposta. No que se refere às relações, o efeito se reflete no exercício de novas possibilidades de estar interagindo com o outro num padrão que estava engessado a séculos em função de religião e cultura.

Nesse exato momento as pessoas querem estar com várias pessoas ao mesmo tempo. Na velocidade do mundo atual, de whatsapp e redes sociais, essa diversidade que, por um lado parece atraente, por outro gera uma perda de vínculos afetivos e relações significativas que traz uma sensação de solidão coletiva, mesmo estando em contato com várias pessoas.

Nas relações amorosas e afetivas, por exemplo, o medo de se abrir, sentir e se decepcionar é claramente expresso pelas pessoas. Gerando cada vez mais frustração e mais distanciamento de se estabelecer intimidade um com o outro, nos diversos setores.

O movimento de abertura para as múltiplas possibilidades trouxe um caos relacional criativo. Apesar da aparente desestruturação dos relacionamentos em vários níveis, aí reside também a própria solução. E isso pode ser incrível. Com esse caos você experimenta possibilidades que não existiam, aprende com erros e acertos. Se deixar levar por ondas de grupos de vanguarda, as vezes dá certo às vezes não, a vivência das novas interações vai criando novos parâmetros.

Surgem muitas teorias de filósofos contemporâneos, de cientistas sociais, de pesquisadores comportamentais, de estudos de profissionais especializados em gestão de pessoas propondo novas tendências para as interrelações humanas individuais e coletivas, pessoais e profissionais.

Enfim novos valores, paradigmas e referências começam a ser construídos a partir dessa recente abertura para a experiência de se estar junto com o outro. Inclusive dentro desse caos, o que não funciona para a vivência individual de cada um, serve como observação para se abrir e encontrar formas mais saudáveis de se relacionar.

A Ética, não como regra de conduta (isso é moral), mas como uma abertura para conversas coletivas e individuais têm trazido um balizamento fundamentado no respeito, empatia, compartilhamento, colaboração, e amor, que nas palavras do filósofo Clóvis de Barros Filho pode ser:

“Amor é a referência para Ética, já que não ama, faça como se amasse” – Clóvis de Barros Filho

Mais do que um amor pessoal, um amor por estar vivo e participando dessa grande experiência chamada vida.

______

[RODAS DE CONVERSAS] TEMA: RELACIONAMENTO PESSOAL

"Como se relacionar de maneira eficiente e saudável"

Encontros: 3 encontros mensais (aos domingos).

Datas: 15/09, 20/10 e 24/11/2019

Horário: das 10h às 18h

Local: Centro de Desenvolvimento Dora M Bentes Rua dos Jacintos, 233 - Mirandópolis, São Paulo Contato: 11 98651-1224 (whatsapp)

Infos completas e inscrições, clique aqui

______

​​

​​​

Dora M Bentes atua há 30 anos como terapeuta integrativa no Centro de Desenvolvimento Dora M Bentes, cria e ministra cursos de formação e autoconhecimento na área de astrologia, meditação, liderança e desenvolvimento humano, organiza o Projeto Viagens da Consciência® no Brasil e no mundo para ressignificação da vida, encontro e realização de propósitos.

#relacionamentos #amor #amizade #trabalho #consciência #rodadeconversa #jornadadaconsciência

Rua dos Jacintos, 233

Mirandópolis - São Paulo/SP

04049-050

  • Instagram
  • Facebook
  • You Tube
  • LinkedIn

© 2019 Todos os direitos reservados. Centro de Desenvolvimento Dora M Bentes