• Mariana Veloso

Foram desligadas as lanternas e acesas as luzes do coração | São Francisco Xavier - SP


Um dos melhores lugares para observação do céu noturno no Brasil fica a apenas 150 quilômetros de São Paulo. A descoberta dessa informação levou o Viagens da Consciência a São Francisco Xavier, no alto da Serra da Mantiqueira, região de natureza abundante e clima agradável.

A data reservada anteriormente revela-se significativa quando Dora M. Bentes, idealizadora do Projeto Viagens da Consciência®, acessa as informações sobre o céu da viagem: é final de semana de Lua Cheia, com os astros Júpiter e Vênus também visíveis.

1. Lua, que representa os vínculos emocionais, estará transitando entre as constelações de Libra (relacionamentos) e Escorpião (transformação);

2. Vênus, o planeta que rege as relações interpessoais, estará em Gêmeos; trazendo alegria e leveza às relações.

3. Júpiter, o maior astro do Sistema Solar, que traduz as infinitas possibilidades da vida, estará posicionado em Escorpião, trazendo uma atmosfera de envolvimento pleno e profundo.

É a oportunidade ideal de aprendermos a ampliar as possibilidades de criar relacionamentos e transformar nossos padrões de relações, com vínculos afetivos leves, divertidos e prazerosos.

Dora, então, analisou o mapa astral dos 15 viajantes e identificou quais áreas seriam diretamente ativadas em cada um. Estávamos prontos para mais uma aventura em busca de autoconhecimento e diversão.

Após sairmos de São Paulo, a primeira parada do grupo foi para um generoso almoço em Monteiro Lobato, uma bucólica cidadezinha incrustrada na montanha. Mais alguns quilômetros de estrada e chegamos ao Pouso do Rochedo, nosso destino escolhido em São Francisco Xavier.

DIA 1: TRILHA NO ESCURO À LUZ DA LUA

Foto: Patrícia Sato

Já começa a cair a noite e rapidamente o grupo se reúne para as instruções da Dora, que nos surpreende: faríamos a trilha ao mirante sem lanterna. Foi uma experiência inédita para a maior parte dos participantes e o começo foi inusitado até que os olhos aos poucos foram se acostumando à escuridão de um céu encoberto.

O caminho era íngreme, mas o fato de estarmos no escuro não dificultou em nada o trajeto. Muitos notaram que se movimentaram melhor sem enxergar o caminho, pois