• Centro Dora M Bentes

O Eu feminino a partir da figura materna

Revelando uma nova perspectiva da sua história

Nós somos seres multidimensionais, cujo desenvolvimento decorre de variáveis físicas, mentais, emocionais e energéticas, e no processo de construção do Eu, a figura materna é um elemento extremamente significativo. Ela é o nosso primeiro referencial do mundo, e os princípios da psicologia junguiana e da física quântica nos mostram como nosso desenvolvimento pessoal saudável depende grandemente da reconciliação afetiva com esta figura primária, a partir do entendimento dos referenciais arquetípicos que ela representa, assim como da herança familiar que a formaram como pessoa.


Lançar um olhar amoroso sobre esta relação e entender sua contribuição na construção e desenvolvimento do eu, além de ressignificar os laços familiares, permite o autoacolhimento pessoal com sua própria história, trazendo cura e reconexão com si mesma.


O processo de reconexão através do acolhimento da figura materna

Através da psicologia junguiana, física quântica e dos trabalhos desenvolvidos com grupos femininos, percebi que há um registro comum a todas as mulheres e uma herança que precisa ser olhada, acolhida e curada.


Foi também revendo minha vida e a relação com a minha mãe, que percebi que haviam muitas mágoas e tropeços, mas também muitas alegrias e momentos inesquecíveis. Com o amadurecimento dos últimos anos, iniciei um caminho de olhar tudo de novo e permiti-me ver vários ângulos da mesma história.


Ressignifiquei a imagem da minha mãe, entendo sua contribuição para quem sou como mulher e como pessoa, e isso foi transformador.