• Eduardo Alves

O que é escrever para mim



Photo by Brad Neathery on Unsplash



Lembro do dia em que ganhei minha primeira agenda. Ela era uma Tilibra escolar, cheia de adesivos, tinha 2 dias por página e corria pelo tempo até o fim do ano. Havia espaço para anotar aniversários, compromissos escolares e outros lembretes. Eu sempre gostei de organizar o que acontecia à minha volta para poder sentir que, internamente, isso também era possível. Logo passei a adorar aquele pequeno caderninho todo ano.


Passado algum tempo, deixei de escrever apenas acontecimentos escolares e percebi que eu estava presente naquelas páginas com pequenos fragmentos dos meus dias, dos meus pensamentos. Ao longo de alguns meses criei intimidade com aquelas folhas marcadas pelo ano que eu vivia e comecei a deixar palavras ali que não eram ditas para as pessoas. Meus sentimentos tocavam o papel por meio da ponta de uma caneta BIC. Eu percebi, anos depois, que aquelas palavras ainda estavam elaborando quem eu viria a ser.


Eu tive agendas por toda a minha adolescência. Alguns anos mais como diários e em outros como forma de organizar a minha rotina. Eu sempre escrevi, no entanto, sobre sentimentos em minhas páginas, mesmo que palavras soltas, pairando por linhas.


Escrever pra mim sempre foi uma ponte entre a minha presença no mundo e o que acontecia em meu interior. Sempre foi sobre levar para dentro o que precisava ser sentido e trazer à tona o que precisava ser expresso.


Escrever, para mim, é tocar a nossa alma e conseguir conversar com ela, sem medo, deixando de lado todo o nosso poder de julgar a nós mesmos. Trazer para o mundo o nosso melhor, a nossa essência.


Experimente ter essa conversa consigo mesmo.


Dois convites

O primeiro deles é saber o que você acha de termos um espaço como esse aqui com mais regularidade, ou seja: estou pedindo licença para compartilhar mais mensagens minhas chegarem aí na sua caixa de e-mails. Diga o que acha escrevendo para eduardo.alves@kayua.com.br e, se possível, o que gostaria de ler aqui.

O segundo é um convite para estar comigo durante 3 noites. Sempre recebo muitas mensagens sobre o curso SELFIE: retrato por escrito. As pessoas querem saber o que esperar, como funciona, qual é a dinâmica, entre tantas outras questões. No dia 26 de outubro, terça-feira, iniciaremos mais uma turma de Escrita terapêutica como resgate de histórias de vida. Será como uma "aula introdutória". Assim você poderá ter acesso, online e ao vivo, a mais informações sobre escrita terapêutica, narrativas de vida e como é a experiência do curso avançado SELFIE.

Espero te ver por lá!

Edu Alves